Membros do facção são presos por morte de motorista de app em Manaus

20
Foto: Divulgação

Três homens identificados como Carlos Javier Carreno Pinzon, de 24 anos; Railson Lucas Silva de Vasconcelos, de 23 anos; e Robert Diego Serrão dos Santos, de 29 anos, membros da facção PCC, foram presos na tarde de terça-feira (20), como autores do latrocínio do motorista de App, Agnaldo Freire Silva, que tinha 41 anos.

A prisão ocorreu durante uma ação dos policiais civis da Delegacia Especializada em Roubos, Furtos e Defraudações (DERFD), que realizaram as investigações acerca do crime ocorrido no dia 5 de setembro deste ano.

De acordo com a polícia os criminosos receberam uma ordem para matar um rival, motivo pelo qual eles abordaram a vítima solicitando a corrida, para posteriormente roubar o carro que seria utilizado no homicídio.

“Eles confessaram a participação no crime e deram detalhes. Railson informou que é da facção PCC e que teria recebido um comando para matar um rival do Comando Vermelho (CV), eles decidiram ir até o Centro da cidade para roubar o carro e usar no homicídio da facção rival”, explicou o delegado Adriano Félix, da DRFD.

Ainda conforme a autoridade, os criminosos informaram durante o depoimento que não tinham a intenção de matar a vítima, porém o motorista reagiu ao assalto. Neste momento Railson desferiu três tiros contra Agnaldo. Toda a ação criminosa foi gravada pelo rádio que o motorista havia ligado momentos antes do assalto.

“Eles só atiraram porque a vítima acelerou o carro e tentaram tirar a arma do Railson, por isso aconteceu a luta corporal dentro do carro. Segundo o Railson, ele efetuou o primeiro disparo e a vítima não parou, ele efetuou o segundo disparo e a vítima também não parou. Quando ela encosta o carro e o Railson tenta sair do carro, a vítima ainda vem para cima dele e acontece o terceiro disparo”, disse o delegado.

A vítima ainda foi socorrida por populares que passavam pelo local, mas ao dar entrada na unidade hospitalar, ele não resistiu aos ferimentos e veio a óbito. Os criminosos já têm passagem pela polícia e agora eles estão à disposição da Justiça. Eles irão responder pelo crime de latrocínio (roubo seguido de morte).

Comoção e manifestação

Antonio Lima, líder do grupo de motoristas de aplicativo de transporte urbano, participou, junto com a categoria do velório e enterro da vítima, ocorrido no dia 6 de setembro. Todos pediram por justiça.

“A gente vem clamar por justiça, em nome da categoria por mais reconhecimento. Apesar do serviço que nós prestamos na sociedade do Amazonas com tanta responsabilidade e dedicação, pois, nós transportamos vidas. A falha na segurança para o motorista de aplicativo se ocasiona porque nós não temos um reconhecimento pelo poder público e nem pela instituição privada que administra o serviço”,

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui